Agora é oficial: a Meteor 350 chega em julho!

Agora é oficial: a Meteor 350 chega em julho!

junho 14, 2021 0 Por Marquinho

A moto será lançada no país no próximo dia 6 de julho.

A marca anunciou o lançamento oficialmente, mas naturalmente não revelou o preço ou as versões que serão vendidas aqui. Mas mantemos nossa aposta em um máximo de R$ 20 mil e nas três versões existentes – Fireball, Stellar e Supernova. Se vier por menos que isso – algo em torno de R$ 18 mil – não temos dúvidas de que haverá filas nas portas das concessionárias.

A chegada da Meteor 350 ao Brasil é ansiosamente aguardada tanto pelos futuros proprietários quanto pelos concessionários – com o fim das vendas da Classic e da Bullet, ficaram apenas a Himalayan 400 e as twins Interceptor e Continental GT 650 nas vitrines. Ou seja, um lineup bem limitado. E como a Meteor 350 será razoavelmente acessível, poderá dar giro e rentabilidade às lojas.

Nas ruas, a Meteor 350 poderá ser o “degrau médio” que falta no segmento custom aqui no Brasil. Afinal, hoje temos as pequenas Haojue Chopper Road 150, de R$ 11.497, e Dafra Horizon 150, de R$ 11.690, e depois há um “buraco” de modelo e preço até a Kawasaki Vulcan 650 S, que supera os R$ 36 mil.

Para quem não lembra, a Meteor  350 é uma moto simples, discreta e charmosa, com tanque em forma de gota (leva 15 litros), banco com duas alturas, farol redondo, painel com um único relógio posicionado entre o guidom e a cuba do farol, para-lamas arredondados, guidom discreto e de altura média, rodas de liga leve, um longo escape e uma charmosa lanterninha redonda estilo jipe.

Nova Royal Enfield Meteor 350 será revelada dia 6 e virá ao Brasil em 2021

Na Índia, existem as versões básica Fireball, intermediária Stellar (com pintura full-colour e encosto de garupa) e topo de linha Supernova (que agrega pintura bicolor e para-brisa). As configurações e equipamentos podem mudar no Brasil.

Lá, a moto tem como opcionais uma tomada USB e o “tripper navigation”, um segundo reloginho instalado ao lado do painel para mostrar, por setas, as indicações de um GPS – funciona conectado ao smartphone do piloto via Bluetooth.

Fora isso, as modernidades da moto se limitam às luzes de rodagem diurnas com LEDs e ao ABS nos dois freios a disco – com 30 cm de diâmetro na frente e 27 cm atrás. De resto, mecânica convencional: suspensão dianteira com garfos de 13 cm de curso e traseira bichoque com seis ajustes na pré-carga, e pneus 100/90 R19 na frente e 140/70 R17 atrás.

O motor é um monocilíndrico refrigerado a ar e óleo com 350 cm³, que rende 20 cv de potência a 6.100 rpm e torque de 2,7 kgf.m a 4.000 rpm. Números modestos, mas que resolvem no uso urbano. O câmbio tem seis marchas, com secundária por corrente. Uma boa virtude para rodar no Brasil é a ótima distância livre do solo, de  17 cm. Alô, mês de julho: chega logo!